08-02-2024

Gestos que Salvam! – O que fazer em caso de contacto com a lagarta do pinheiro

A lagarta do pinheiro, também conhecida como “processionária”, é um inseto desfolhador dos pinheiros e cedros em Portugal. O contacto, direto ou por inalação, com os pelos da lagarta pode provocar uma reação alérgica cuja gravidade depende da intensidade da exposição e da sensibilidade individual. Em qualquer um destes casos, saiba o que fazer de imediato.


O ciclo de vida deste insecto completa-se num ano e é constituído por duas fases: a fase adulta formada pelos ovos e lagartas que é aérea, observada nas copas dos pinheiros, e a fase de pupa que é subterrânea.


As lagartas jovens vivem em ninhos provisórios que vão sendo abandonados até à formação de um ninho definitivo (ninho de inverno), onde se protegem das baixas temperaturas.


As lagartas têm o corpo dividido em pequenos segmentos, cada um dos quais com milhares de pêlos urticantes de coloração alaranjada que se vão libertando e espalhando pelo ar à medida que a lagarta se desloca. São estes pêlos que em, contacto com a pele, mucosas e olhos são responsáveis pelas alergias em pessoas e animais.


Normalmente, é a partir de dezembro que aparecem os Ninhos de seda nos ramos dos pinheiros. Entre janeiro a maio, surgem as filas de lagartas a descer pelos troncos dos pinheiros e, na primavera, os pelos urticantes das lagartas são libertados. Contudo, nos últimos anos, tem-se verificado um aumento desta praga e uma alteração do calendário, sobretudo devido às condições climáticas.


Sinais e sintomas


Os sinais e sintomas resultantes do contacto com os pelos urticantes traduzem uma reação alérgica cuja gravidade depende da intensidade da exposição e da sensibilidade individual. Os sintomas podem surgir alguns minutos ou horas após o contacto e persistir por várias horas ou dias.


Esteja atento/a aos seguintes sintomas:


  • Reação urticariforme: irritação cutânea com prurido (comichão), ardor, eritema (pele vermelha) e edema (inchaço). As lesões cutâneas têm características maculopapulares e podem ser acompanhadas de vesículas.
  • Irritação ocular: em tudo semelhante a uma conjuntivite com os olhos avermelhados, prurido e edema.
  • A inalação dos pelos pode desencadear tosse e dispneia (dificuldade respiratória) de gravidade variável.


Estes episódios são muito frequentes tanto nos adultos, como nas crianças, principalmente na fase em que os pelos são libertados.


O tratamento depende da intensidade dos sintomas. Em caso de contacto com a lagarta do pinheiro, estes são os procedimentos que deve ter:


  • Remoção do vestuário;
  • Lavagem da pele ou olhos com água corrente;
  • Remoção dos pelos urticantes que possam ter ficado aderentes à pele (por exemplo, com um adesivo);
  • Aplicação local de creme hidratante;
  • Administração de anti-histamínico por via oral.
  • No caso de contacto por via ocular deve sempre recorrer-se à observação por oftalmologista.
  • Perante uma reação alérgica mais intensa deve ser feita uma observação no serviço de urgência.
    Se necessário, ligue 112.


Em qualquer dos casos, pode sempre contactar o Centro de Informação Antivenenos (CIAV) – 800 250 250.


E os animais?


Os animais são igualmente sensíveis ao contacto com as lagartas sendo aconselhado procedimentos idênticos. Será conveniente uma observação por um veterinário particularmente no caso de cães e gatos.

imagem do post do Gestos que Salvam! – O que fazer em caso de contacto com a lagarta do pinheiro
Voltar