08-07-2020

INEM efetuou 1.697 transportes de casos suspeitos na primeira semana de julho

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) efetuou, entre os dias 29 de junho e 5 julho, 1.697 transportes de casos suspeitos de infeção com SARS-CoV-2. Os profissionais do Instituto efetuaram, no mesmo período, 1.423 colheitas de amostras de material biológico para análise à COVID-19.

 

O trabalho do INEM no âmbito da resposta à COVID-19 continua intenso. Entre os dias 29 de junho e 5 julho, foram efetuados 1.697 transportes de casos suspeitos de COVID-19, uma média diária de 242 transportes. Este número tem-se mantido estável ao longo das últimas semanas, sendo que a definição de caso suspeito de COVID-19 é, de acordo com as normas em vigor¸ qualquer situação de falta de ar (dispneia) triada pelos Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU).

 

No mesmo período de tempo, as equipas de Enfermagem afetas às colheitas de amostras biológicas, efetuaram 1.423 colheitas de material biológico para análise, o que corresponde a mais 358 colheitas do que na semana anterior. A área de influência da Delegação Regional do Sul continua a ser a que mais testes realiza, totalizando 904 colheitas de amostras entre os dias 29 de junho e 5 de julho. As equipas da Delegação Regional do Norte (DRN) efetuaram 315 colheitas, o que corresponde a um aumento de 313 amostras comparativamente à semana anterior. Os trabalhadores da Delegação Regional do Centro (DRC) efetuaram 156 colheitas, e no Algarve foram efetuadas 32 colheitas.

 

A 5 de julho, o INEM não tinha registo de qualquer trabalhador ou colaborador infetado com SARS-CoV-2, encontrando-se quatro trabalhadores em quarentena profilática e onze em vigilância.

 

Travar a COVID-19 depende de todos. Cumpra as regras e recomendações das Autoridades.

 

Em caso de emergência, ligue 112.

imagem do post do INEM efetuou 1.697 transportes de casos suspeitos na primeira semana de julho
Voltar