Emergência Médica Digital

EMERGÊNCIA MÉDICA DIGITAL

Medida SIMPLEX + Saúde

 

Descrição da medida:

 

Informatização do registo de ocorrências efetuadas pelas Ambulâncias de Socorro sedeadas em Corpos de Bombeiros/Delegações da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP): Postos de Emergência Médica (PEM) e Postos Reserva, bem como pelos meios integrados nos Serviços de Urgência: Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação (VMER) e Ambulâncias de Suporte Imediato de Vida (SIV).

 

Prazo de Implementação:
Medida iniciada em 2017 com definição de requisitos e testes aplicativos na aplicação PORTAL do SIEM. No primeiro trimestre de 2018 decorreu um piloto com oito Unidades de Saúde, no final de março foi alargado a todas as entidades protocoladas, tendo entrado em exploração em abril de 2018.
Após conclusão da Medida têm sido desenvolvidas melhorias nomeadamente na componente de relatórios de indicadores.

 

Enquadramento:

 

Face à constante necessidade de simplificação administrativa e modernização dos serviços públicos, que contribui para a melhoria da qualidade dos serviços no que respeita ao socorro às populações, com particular enfoque no atendimento aos(às) cidadãos(ãs), foi proposta como Medida Simplex + Saúde o Projeto “Emergência Médica Digital”, que remete para um projeto estratégico do INEM.

 

Esta Medida Simplex + Saúde tem como principal enfoque a eliminação da necessidade de preenchimento de documentos em suporte papel e a entrega de informações desnecessárias, a integração e centralização de bases de dados, portais e informações, reduzindo desta forma diversos encargos administrativos, para além se ser uma medida conducente à interoperabilidade entre serviços. Este projeto traduz-se numa melhoria de acesso às Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) e reforça a capacidade institucional e de eficiência em prol da modernização da Administração Pública.

 

Considera-se, assim, poder contribuir para a disponibilização de informações fidedignas permitindo otimizar custos e dotar a gestão com ferramentas adequadas para tomadas de decisão assertivas.

 

Primeira fase do Projeto, no âmbito da Medida Simplex:

 

Desmaterializar o SIEM através de registos realizado no local da ocorrência pelos parceiros do INEM, quer administrativos (pagamentos) quer operacionais (dados da ocorrência, incluindo dados clínicos).

 

O preenchimento de impresso em papel (verbete) que é enviado por via postal para o INEM, passa a ser efetuado numa aplicação informática, ficando disponível de imediato toda a informação necessária quer para processamento dos pagamentos (prémios de saída) que são devidos e que estão estabelecidos nos protocolos celebrados entre o INEM e as Corporações de Bombeiros e Delegações da Cruz Vermelha Portuguesa (no caso dos Postos de Emergência Médica) e as Unidades de Saúde (no caso das VMER e das Ambulâncias SIV); quer em relação aos dados operacionais relativos à localização da ocorrência e aos dados clínicos.

 

Esta Medida será um garante de segurança no processamento dos prémios de saída e no acesso aos dados clínicos. A informação será reportada através um equipamento tablet fornecido pelo INEM, que estará ligado ao sistema de informação central do Instituto.

 

 

Segunda fase do Projeto, novas iniciativas para expansão da Medida (Projeto piloto)

 

Fazer a ligação do Portal do SIEM à nova versão do registo clínico eletrónico implementado nos meios de emergência médica, o ITEAMS- INEM TOOL for EMERGENCY ALERT MEDICAL SYSTEM.

Voltar